top of page

Chelsea Greene, diretora de We Are Guardians: O documentário arrecadou centenas de milhares de dólares para reflorestar a Amazônia

O documentário Somos Guardiões busca gerar impacto positivo na Amazônia



Somos Guardiões é um documentário dirigido por Edivan Guajajara, Chelsea Greene e Rob Grobman. Foi produzido pela Altamente Inflamável e Mídia Indígena. Este conteúdo, atualmente disponível na Netflix, retrata o trabalho dos grupos indígenas guardiões Guajajara e Tembé, que lutam para proteger a floresta amazônica do desmatamento causado por madeireiros ilegais. Da mesma forma, mostra a perspectiva dos madeireiros que veem a extração clandestina de madeira como único meio de subsistência.

Greene comentou que durante vários anos ela e Grobman cogitaram a ideia de fazer um projeto sobre os danos ambientais sofridos por esta área do mundo. Na busca por recursos, obtiveram financiamento de diversos investidores privados, bem como de figuras como Fisher Stevens (produtor vencedor do Oscar) e o ator Leonardo DiCaprio (que foi produtor executivo).

Em viagem ao Brasil em 2020 conheceram Edivan, cineasta local que aderiu à iniciativa como cinegrafista e diretor. Da mesma forma, foi fundamental para o acesso à comunidade indígena Guajajara, da qual faz parte. Graças à produtora Banksia Films conseguiram entrar em contato com os guardas florestais da cidade de Tembé.

CONFLITOS E DESAFIOS Durante as gravações eles acompanharam o trabalho desses grupos ambientalistas, que em diferentes saídas tentaram localizar e expulsar madeireiros da floresta. “Às vezes ouvíamos os madeireiros e suas motosserras ao longe e tentávamos correr em direção a eles, mas nos perdíamos ou eles fugiam. Fizemos oito missões sem sucesso até conseguirmos”, disse Greene.

Ele garantiu que o mais desafiador das filmagens foi o assédio que receberam de alguns madeireiros: “Conseguimos permissão de alguns madeireiros para estar com eles, mas quando outro grupo descobriu que estávamos filmando e expondo o trabalho ilegal deles dentro do território indígena , eles começaram a nos enviar ameaças de morte. Então tivemos que sair do território e alugar outro carro para passar despercebidos.”

Com uma tripulação de apenas quatro pessoas, eles viajaram para a selva em carros alugados em viagens de até 14 horas. Para chegar a determinados pontos eles tinham que viajar em barcos pelos rios. “Dormíamos em redes, tentando carregar toda a água e comida nas costas, era muito difícil e pesado, embora nunca tenhamos passado mais de quatro dias seguidos dormindo ali antes de voltar para uma aldeia”, disse o cineasta.

Para se comunicarem com os moradores contaram com a ajuda de um intérprete. Da mesma forma, trouxeram painéis solares para carregar os equipamentos em meio à natureza. Eles filmaram com câmeras Panasonic Lumix S1H devido à sua qualidade e tamanho reduzido. Ele ressaltou que isso permitiu que as pessoas com quem gravaram se sentissem mais confortáveis, já que uma câmera grande “poderia ser mais intimidante”.

O CINEMA COMO AGENTE DE IMPACTO Após dois anos de edição, finalizaram o documentário. Desde então iniciaram uma campanha para conseguir um impacto positivo através deste produto. Recentemente, eles obtiveram uma doação de US$ 200 mil da instituição de caridade Erol Foundation e outra quantia semelhante da The RandomGood Foundation.

Esses recursos serão destinados a apoiar os esforços dos indígenas guardiões da floresta amazônica com suprimentos essenciais que ajudem a proteger suas fronteiras territoriais, bem como a estabelecer projetos de reflorestamento e agroflorestamento nesses territórios para contribuir para a autonomia de longo prazo das comunidades. .Tembé e Guajajara. Green revelou ainda que os investidores optaram por doar os lucros da venda do documentário à Netflix (plataforma em que foi lançado em 28 de janeiro) a grupos indígenas.

Além disso, o filme já participou de diversos festivais internacionais e ganhou prêmios como o Peace International Green Film Award. O cineasta espera que, através desta exposição, mais pessoas se sintam inspiradas a cuidar da Amazônia, lugar por onde passa um quinto da água doce do planeta.

Commentaires


bottom of page